28 setembro 2016

Pernas de frango com vinho tinto e tomilho no tacho

Tenho feito muitos pratos de tacho, refeições feitas para sobrar e outras tantas decididas na hora com meia dúzia de legumes e uns pozinhos de tempero. Este é um mês de poupanças para mim a todos os níveis. Poupar dinheiro com refeições económicas e feitas em mais quantidade, para também poupar tempo para as minhas coisas. Não seja por isso que os pratos tenham de ser deslavados e sem brilho, pois quando se cozinha com amor e dedicação, até o prato mais pateticamente simples se pode tornar aprumado. São pequenos toques e pormenores insignificantes que transformam o mais banal em algo belo. Como eu costumo dizer, eu até vejo beleza nas pedras da calçada (embora seja um horror andar de saltos altos nela). E pronto umas pernas de frango a marinar, que depois se levam ao tacho e fazem-se praticamente sozinhas. Acompanham um puré de batata e mima-se o prato com mais tomilho fresco saído da minha "horta", que à terceira foi de vez e floresceu alegremente na minha varanda, sem pragas de mosquitos e afins. Vale a pena insistir quando queremos muito algo que achamos inatingível, e pensamos logo que o melhor é desistir.


23 setembro 2016

Doce de figos com moscatel

É efetivamente especial colhermos a fruta da árvore, e é por isso que lá por casa adoramos estas coisas. Este ano houve muitos figos, que se distribuíram pela família e outros que acabaram em doce. Doce de figos com moscatel, parecia-me uma boa combinação. Deu para tantos frascos e frasquinhos (na fotografia não estão todos) que lá tive de distribuir outra vez pela família. Já há pelo blogue um doce de figos, mas como é possível fazer tantas outras combinações deixo mais uma para vos inspirar.

22 setembro 2016

Lumaconis com carne picada de peru e frango

Alterei toda a minha rotina de fim-de-semana e ando nas nuvens com estas mudanças. Por um lado dedico menos tempo à cozinha, mas por outro pus-me em primeiro lugar na lista e dedico mais tempo a mim, que no fundo também mereço. Sábado comecei o yoga e domingo tenho a hidroginástica como habitualmente, o que implica não ir a correr fazer as compras nas manhãs de fim-de-semana ou as tarefas da casa. Estou calma e tranquila, e acabo por conseguir fazer tudo na mesma. Casa arrumada, roupa lavada, refeições na mesa. É tudo uma questão de prioridades, e neste momento eu sou a prioridade. Que me perdoem o egoísmo, mas há alturas na vida que temos de nos pôr no início da lista e não no fim. 
Era impensável para mim não rechear esta massa uma a uma. É verdade, assim ditava a minha mesquinhez e perfeccionismo, mas depois de uma aula de yoga que me deixou a levitar, ele há coisas que deixam de ter importância, tais como rechear a massa uma a uma. O efeito foi o mesmo (colocar a carne por cima da massa) e posso afirmar que ficou um prato muito bom. Além de bom, rendeu, rendeu, rendeu. Sim, rendeu para 3 refeições, acompanhadas de salada e uma sopa leve, o que se pode concluir que me sobrou mais tempo ainda. Tempo para cuidar de mim. Se é bom? Oh se é!

19 setembro 2016

Açorda de pimentos e tomate com carapaus fritos

A vida dá realmente muitas voltas e só nos surpreendemos quando nos tornamos adultos. A comida tem muito destas coisas. Quem me dizia a mim que um dia eu ia crescer e comer açorda como se fosse um prato muito especial. Já não falando dos carapaus, porque esses eu não os troco, desde miúda, nem por lagosta. Sempre que vou visitar os meus pais sinto o cheiro de carapaus fritos. Abro o frigorífico como se ainda pertencesse àquela casa que me encheu de tão boas memórias. Se houver carapaus no frigorífico lá vai a minha mãe buscar um prato e o meu pai o pão. Mas tem de ser pão duro pai, quero pão duro! Explico sempre o mesmo, tem de ser duro. Como se explica esta química que se dá em mim, combinando carapaus fritos do dia anterior e frios, comidos com as mãos e "depenicando" o pão duro entre as "polpas" do peixe? Como se explica isto? Como se explica as sensações que tenho com certos pratos? Haverá resposta para o facto de me apetecer um prato de Nestum com mel sempre que as noites arrefecem? Haverá resposta para sentir o cheirinho do peixe frito sempre que o elevador chega ao 5º andar do n.º 13? E tantas vezes foi um cheiro que só a minha imaginação sentia. Terei 20, 40, 50 ou 60 anos, que destaparei sempre todos os tachos que borbulham ao lume do fogão da minha mãe para espreitar o que ela está a cozinhar. Parece-me sempre tudo tão bom, tão familiar, tão reconfortante. E sim, matei saudades da açorda e dos carapaus fritos, desta vez feitos por mim. No fundo estou na fase da "confort food", depois desta se seguirão outras, agora quero mesmo saborear estes pratos. São servidos?

16 setembro 2016

Arroz de galinha rápido

Depois de tudo organizado para as novas etapas cá por casa, nada como vir partilhar mais uma receita. Um arroz ultra rápido de fazer com a galinha caseira que veio parar ao meu frigorífico, já depenada, partida aos pedaços e livre das peles e gorduras maiores. Como era para sobrar utilizei um arroz branqueado, agulha que era o que tinha em casa, que no dia seguinte continua bem soltinho, mas se não fosse, teria escolhido o arroz carolino normal. A escolha é vossa. Eu acho que fica uma refeição bem simpática e rende muito, especialmente tempo, pois no dia seguinte podemos ir passear e quando chegarmos a casa é só aquecer e está pronto o almoço.

13 setembro 2016

Passatempo Galbani

Ainda não participaram? Não? Então ainda vão a tempo de elaborar uma receita original com um dos produtos Galbani à vossa escolha e ficam habilitados a 3 viagens a Roma para 2 pessoas com alojamento incluindo. Eu não posso participar, mas vocês podem! Inspirem-se.
 
Vejam o regulamento e participem!
http://galbani.pt/site/passatempo-roma/


12 setembro 2016

Gelado de framboesas com mascarpone Galbani

O tempo já vai estando diferente, os dias também já se notam mais pequenos, talvez esteja próxima a despedida do verão. E como é que se torna uma despedida bem mais doce? Com um gelado claro! A Galbani continua presente nas minhas receitas e deu-me mais uma ajuda para me inspirar.

08 setembro 2016

Bolo (ou tarte fingida) de maçã caramelizada

Se eu fizesse todos os doces que a minha malta me pede todas as semanas, certamente estariam o dobro do tamanho. Num destes  fins-de-semana, um pediu-me uma tarte de maçã e o outro ciumento tratou logo de me pedir um salame. Não descansaram enquanto eu não me levantei da cama, depois da tentativa falhada de fazer uma sesta após o almoço e descansar da correria que são as minhas manhãs de sábado. Eu sei bem que tarte ele queria, mas pensei enganá-lo e fazer um bolinho baixinho com maçãs bem caramelizadas para darem uma humidade extra à massa. Ficou um bolinho muito saboroso e até bem doce, mas ele queria mesmo a tarte que imaginou, e eu sei bem qual era, mas esta foi muito mais rápida. Fica para a próxima a tarte dos seus sonhos, com uma massa de base, um recheio bem molinho e uma cobertura divinal de maçãs. Fica prometido!

06 setembro 2016

Molho de abacate com iogurte grego

Para fugir aos molhos habituais que gostamos de pôr nos hambúrgueres, e para aproveitar um abacate bem maduro que andava meio perdido na gaveta do frigorífico, fiz um molho bem simples e que engana qualquer um. É assim uma espécie de maionese verde, foi assim que o apresentei à mesa. É só triturar e servir com uns hambúrgueres caseiros que batem aos pontos os outros. Pelo menos na minha singela opinião, que vale o que vale. Boa terça-feira a todos!

05 setembro 2016

Salada de feijão frade com bacalhau

Estou aqui a pensar com os meus botões enquanto escrevo este post agendado e eles ainda dormem. 
Nada na vida acontece por acaso e começo a achar que alguém me ouve quando falo sozinha. Há um mês atrás limpava o pó da sala. Centenas de livros e revistas de culinária que sei de cor que existem, mas outros tantos livros antigos que nem o título sei. Um chamou-me à atenção nesse dia, folheei-o e tinha o meu nome escrito e a data 29-09-2000. Um livro de máximas e pensamentos. Cresci a ouvir a minha mãe dizer provérbios. Ela tinha e tem sempre um para cada ocasião e eu trouxe na mala todos os que aprendi quando voei do ninho. Nessa noite peguei no livro e li até ao fim. 1050 frases sábias, mas uma fez-me pensar mais. "Deus conserta um coração partido, se lhe dermos todos os pedaços ".
Esta frase teve um impacto em mim que as lágrimas correram-me pelo rosto sem eu autorizar. Vocês já sabem que eu não acredito, mas quero muito acreditar. Fiquei dias a pensar na frase. E essa frase levou-me a decidir fazer uma viagem sem grandes planos. Algo me empurrava para esse sítio. Reencontrei alguém que tinha muito para me ensinar e comecei a perceber que isto não tinha sido coincidência. Essa viagem mudou-me e fiz coisas que jurei que nunca faria e o meu coração partido começou a consertar-se, no lado da saúde e do outro. 
Tem sido um caminho de coincidências demasiados pessoais para que eu as exponha todas aqui, posso dizer que continuo a sentir-me grata por elas. Tenho a certeza que o facto de me ter esforçado para estar mais atenta ao que me rodeia, pondo de parte este meu lado alienado de tudo, tem dado os seus frutos. Agora só me falta descobrir a quem me dirijo para agradecer, que "senha" escolho para ficar a aguardar a minha vez e descobrir quem me vai atender? Até lá vou estando atenta.
Agora a receita. Os jantares a dois terminaram na quinta-feira, pois na sexta já tínhamos o nosso periquito em casa e nada como uns grandes hambúrgueres para comemorar. Foram jantares bem simples, o de segunda, terça, quarta e quinta, mas que têm direito a estar aqui porque ficam na memória de quem não os quer esquecer. Boa semana a todos.

02 setembro 2016

Salteado de batata e legumes com frango grelhado

Mais um jantar a dois sem o "piolho". Este foi o de quarta-feira e o de ontem também foi bem leve (na segunda-feira partilho). Hoje já tenho a peste e enquanto escrevo está ali uma frigideira a tratar da cebola caramelizada para os hambúrgueres caseiros que nos esperam. Eles lá dentro afiam os lápis e revêem o material escolar que temos e o que precisamos. E assim termino a semana. Fiquem bem!

01 setembro 2016

Courgette grelhada com mozzarella Gran Tradizione Galbani

O nosso jantar de terça passada também foi composto com muita simplicidade. Umas courgettes grelhadas e bem temperadas que fizeram companhia à mozzarella Gran Tradizione Galbani, desafio que continuo com muito gosto. Mais um jantar a dois, mas sendo hoje já quinta-feira talvez já tenha saudades da minha peste lá em casa.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...