31 outubro 2016

Como tornar uma cozinha operacional para confecionar sem problemas nem contratempos?



Fonte da imagem: Pinterest
Um destes dias o "mais-que-tudo" comentou cá em casa que estava na hora de pensarmos em fazer melhoramentos na cozinha.
Primeiro fiquei apreensiva, porque melhoramentos igual a obras e obras igual a caos. Um caos que depois de terminado dará os seus frutos, bem sei. 
A verdade é que a cozinha é a divisão da casa que mais gosto de estar e de ter organizada e há todo um conjunto de ideias que a tornam mais funcional, tento em conta o espaço que temos. 
Como não vivo só de tachos e panelas hoje deixo algumas dicas simples e úteis, escritas em parceria com a Zaask, que fazem toda a diferença na hora de preparar as refeições:
  •  Uma cozinha operacional pede a existência de um conjunto de armários com grande arrumação e que sirvam para várias coisas, ou seja, que tenham várias funções (por exemplo, que permitam vários tipos de arrumação – horizontal e vertical, ao mesmo tempo que suportem alguns electrodomésticos, como o micro-ondas);
  • É também necessário que haja espaço para circular. Esta questão torna-se ainda mais importante se a cozinha for de um tamanho reduzido. Assim sendo, o melhor é ter apenas o indispensável dentro desta divisão. Pensem que tudo o que servir apenas para enfeite pode perfeitamente ser colocado noutro local. Numa cozinha devem constar apenas os armários, os electrodomésticos, as bancadas (práticas e acessíveis) e, se houver espaço, uma mesa com bancos/cadeiras;
  • Para existir mais espaço e practicidade dentro de uma cozinha, alguns dos electrodomésticos devem estar bem colocados nos armários (neste caso, sem portas a tapá-los) e nas prateleiras (de preferência, montadas nas zonas mais despidas das paredes), assim como devem também estar bem encastrados nas próprias paredes. Só desta maneira conseguem uma melhor acessibilidade aos mesmos e vagam espaço nas bancadas;
  • Por fim, para facilitar a acessibilidade aos utensílios e tornar a cozinha bem operacional neste aspecto, existe a possibilidade de personalizarem os vossos próprios locais de arrumação. Por exemplo, podem aproveitar frascos, latas, caixas e cestos que, à partida, já não têm utilidade, e personalizá-los ao vosso gosto, de forma a colocarem tudo muito mais à mão.
Com todas estas dicas, agora estou mesmo a pensar seriamente em apostar em pequenas  remodelações e parece que já me estou a ver na minha cozinha nova.

24 outubro 2016

Asas de frango com mel e piri-piri no forno

Não é por serem asas de frango que as vamos tratar com indiferença. Podemos sempre dar um ar luxuoso às refeições mais económicas que vamos fazendo no dia-a-dia. As despesas são mais que muitas, imprevistos que vão surgindo e vamos esticando aqui e ali para que todos os dias do mês haja comida boa na mesa. Levam-se à mesa servidas na tábua e mimadas com alguma erva aromática e umas rodelas de limão. Há pelo blogue outras versões, e há outras tantas ainda por experimentar, é só misturar os condimentos que gostarmos mais. Boa semana!

21 outubro 2016

"Lasanha" de batata à bolonhesa com mozzarella Galbani

E hoje é sexta-feira. Dia de planear o fim-de-semana e organizar as tarefas a fazer em casa. As minhas tarefas já estão bem definidas, juntando as obrigações aos passeios, e muito descanso, porque também faz parte da lista de fim-de-semana. Com os dias mais cinzentos já vai apetecendo ligar o forno e fazer pratos bem substanciais e reconfortantes. Tive a ajuda da Galbani inspirando-me no seu bolo de batata, mas juntando a carne à bolonesa em vez do fiambre. A mozzarella foi a junção perfeita entre as camadas de batata e carne. Por mim está aprovado. Bom fim-de-semana a todos. Aproveitem a vida e o sofá, porque também merecemos!



17 outubro 2016

Tarte folhada de maçã com creme de pasteleiro

Cresci numa casa com muita vida. Cheia de afetos, confusões e complicações, comida na mesa, pais equilibrados e que sempre me proporcionaram experiências, independentemente das dificuldades da época. Houve sempre muitos animais de estimação até ao dia que descobri que tinha uma alergia extrema a gatos e seria essa a grande causa de estar doente. Um dia cheguei a casa e ele já não estava lá. Achei que me ia curar e um dia ia buscá-lo. Nunca aconteceu. Ele morreu duas semanas depois na casa onde ficou. Chamava-se Sherman. A partir desse dia criei um muro à minha volta e nunca mais toquei em animais, nem criei qualquer tipo de emoções ou sentimentos por eles. Foi a defesa que consegui arranjar até hoje. Mas a vida dá tantas voltas... Depois de ter pensado mais no "piolho encardido" do que no meu egoísmo de não querer ter trabalho, ou que a minha menor percentagem de alergia aos cães se revelasse maior que aos gatos atualmente, tomei a decisão. Um pulguento bebé nascido em agosto estava destinado a pertencer à nossa família. Confesso que foi estranho e ainda não consigo quebrar alguns "bloqueios", mas revelou-se em mim novamente um instinto maternal. Já lhe toco no focinho, faço festas, limpo-lhe o rabo com toalhitas e quando lhe pego por baixo na barriga para lhe limpar o pelo, ele rosna e acho imensa piada. Dorme bem e acorda às seis da manhã e eu acordo também. Limpo os cocós e os xixis e chamo-lhe "monte pulgas". Ele anda atrás de mim e morde-me os pés. Sinto que de manhã é o meu momento de criar laços com ele, parece que me escondo e não quero que ninguém aqui saiba que já o adoro e cresce um amor dentro de mim por animais que há muitos, muitos anos não se revelava. Acho que tomei a decisão certa. Não quero que o "piolho" cresça sem ter estas experiências e me culpe um dia. Afinal era só um cão. Um cão que também nos vai proporcionar muitas alegrias e companhia. O "piolho" cresceu, já vai para a escola sozinho, os amigos do bairro já tocam à porta para ele ir para a rua e ele não tem qualquer problema em ajudar na educação do pulguento. Limpa cocós, brinca com ele e dá-lhe comida na mão. Acho que escolhi a altura perfeita. Scott, é o nome dele. Agora já sabem porque que é que as receitas andam em banho-maria.

10 outubro 2016

3 entradas com queijo Ricotta Galbani

Meti na cabeça que tinha de fazer 3 entradas somente com uma embalagem de queijo Ricotta Galbani, e mostrar-vos como é muito fácil em 3 tempos compor um almoço ou jantar de amigos com uns miminhos extras. Assim começamos a semana, pelas entradas.



Paté de ricotta com ervas

Ingredientes:
- 75g de queijo Ricotta Galbani
- 2 colheres te sopa de coentros frescos picados
- 1 colher de sopa de folhas de manjericão picadas
- sal fino q.b.
- pimenta móida (usei moinho 5 pimentas)
- sumo de lima q.b.
- tostas para acompanhar q.b.

Preparação:
Misturar bem o queijo com as ervas aromáticas. Temperar de sal, pimenta e algumas gotas de sumo de lima. Servir com tostas ou pão.


Mini panquecas de ricotta e cebolinho com salmão fumado

Ingredientes para 12 mini panquecas:
- 100g de queijo ricotta Galbani
- 1 ovo tamanho M ligeiramente batido
- sal fino q.b.
- pimenta branca moída q.b.
- 100g de farinha de trigo (usei tipo 55)
- 1 colher de café de fermento químico
- 100ml de leite
- 1 colher de sopa de cebolinho fresco picado + para decorar no final q.b.
- azeite para untar a frigideira
- 100g de salmão fumado cortado às tiras finas

Preparação:
Com a ajuda de um garfo misturar bem o queijo com o ovo. Temperar de sal e pimenta. Adicionar a farinha e o fermento peneirados e com a vara de arames ir misturando aos poucos com o leite. Juntar o cebolinho e mexer bem. Untar uma frigideira com azeite e retirar o excesso com um papel absorvente. Levar ao lume até estar bem quente. Colocar uma colher de sopa de massa por cada panqueca e quando começarem a borbulhar, está na altura de virar. Repetir o processo até a massa acabar. Deixar arrefecer um pouco, servir com salmão fumado e decorar com cebolinho fresco picado.


Mini quiches de ricotta com fiambre

Ingredientes para 10 mini quiches:
- 1 placa de massa quebrada
- 75g de queijo ricotta Galbani
- 3 ovos tamanho M ligeiramente batidos
- sal fino q.b.
- pimenta moída q.b. (usei moinho 5 pimentas)
- 100ml de leite
- 50g de fiambre picado grosseiramente com a faca
- 2 colheres de sopa de cebolinho fresco picado
- 10 azeitonas pretas para decorar

Preparação:
Untar 10 formas (tipo empadas) com manteiga. Ligar o forno nos 180º.
Com a ajuda de um garfo misturar bem o queijo com os ovos. Temperar de sal e pimenta.  Juntar o leite aos poucos e ir misturando com a vara de arames. Juntar o fiambre, o cebolinho e mexer bem. 
Desenrolar a placa de massa e com um aro redondo de cozinha, cortar a massa em 10 círculos. Aproveitar as aparas que sobram voltando a unir a massa e estender com o rolo, para assim obter mais quantidade. Colocar cada círculo de massa cuidadosamente nas forminhas. Dividir este preparado pelas formas, enchendo-as até cima. Levar ao forno  aproximadamente 30 a 35 minutos ou até estarem firmes e douradas. Desenformar e decorar com azeitonas pretas.

07 outubro 2016

Rancho

Os entendidos em nutrição devem achar esta "sopa" um horror. Misturar batatas, massa e grão, parece não soar nada bem. Para mim será sempre a minha sopa preferida. Estas sopas de "entulho" como lhe chamam os meus pais. Aliás eu pensava quando era miúda que estas sopas tinham sido inventadas pela minha mãe, mas não, há um país inteiro a comê-la e a fazer a sua própria versão. Cá por casa faz-se com o que há no frigorífico. Se não há entrecosto põe-se entremeada, se não há carne de vaca põe-se frango, se não há batatas põe-se nabo, se não há cenoura põe-se abóbora,etc. O que interessa mesmo é ir enchendo a panela gigante com coisas boas. Bom fim-de-semana, aproveitem a vida!

04 outubro 2016

Pernas de frango com caril rápido

Mais uma receita com pernas de frango e mais um caril, desta vez descomplicado. Sem refogados, com uma mistura de caril de compra e está feito. Está preparada a refeição ao estilo "fast food", que fez pandant com o arroz basmati de sempre, adaptado para menos pessoas. Não vale mesmo a pena saírem de casa para comer fora porque não vos apetece cozinhar. Acreditem que esperam mais tempo e comem melhor em casa. Há sempre pratos "relâmpago" e saborosos para remediar a preguiça.

03 outubro 2016

Bacalhau com natas

A minha mãe emprestada faz o melhor bacalhau com natas que já comi até hoje. Por gostar tanto da sua receita nunca me deu para explorar este prato em casa. Ela faz sempre a olho, e que "olho", pois fica sempre delicioso. Este sábado tive visitas e achei que estava na altura de fazer este prato.
Embora tivesse a receita aproximada, aquela sua mão certeira é impossível de imitar, e sendo assim este fica o meu bacalhau e o dela continuará a ser o especial. Eu acho que até estava bem saboroso, e a minha mãe emprestada confirmou, pois como boa aprendiz levei uma dose para ela provar. Está diferente, mas também está muito bom, então ficamos assim, este é o bacalhau da Carla e o outro é o meu. Combinado!

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...