20 setembro 2012

Tarte De Iogurte Com Ameixas

Hoje dei por mim a rir de mim. E olhem que não é nada difícil quando estou naqueles dias de humor.
Estou, fruto das circunstâncias actuais, uma mulher poupada. Já consigo pensar duas vezes antes de comprar umas calças amarelas às bolas pretas, sabendo que um ano depois elas estarão demodé. Mas o cúmulo da poupança, foi ter dado por mim a decidir deslocar-me sempre de metro para não gastar as solas dos sapatos. E eu que sou mulher para descer 3 ou 4 paragens antes do destino e ir a pé, desfrutando do fresco matinal, dos primeiros raios de sol e do cheiro de um novo dia a começar. Sinceramente Carla! Sim, eu falo comigo. Aposto com todos os terráqueos que ninguém tem tanto diálogo interior como eu. Soltei uma gargalhada e decidi que tenho de abrandar nisto das poupanças. É que andar a pé faz-me tão bem, como fazer um SPA, ir ao cabeleireiro, às compras, e sendo assim não preciso de psicólogos nem fármacos que me aliviem de tanto stress e ansiedade que tenho vivido nestes últimos tempos. Qualquer dia estou a aproveitar a caixa da margarina para servir de tuperware, como fazia a minha avó. Sinceramente Carla!
Segue uma tarte ao estilo "dejavú", que serve para aproveitar-mos fruta a estragar e iogurtes a terminar o prazo.

Ingredientes:
- 150g de açúcar amarelo
- 100g de farinha de trigo
- 50g de margarina amolecida
- 3 iogurtes naturais ou outro aroma
- 4 a 5 ameixas maduras
- 2 ovos
- farinha para polvilhar
- margarina para untar

Preparação:
Bate-se todos os ingredientes, à excepção das ameixas. Descasca-se as ameixas e corta-se aos pedaços ou triturem, ao gosto de cada um. Junta-se as ameixas ao preparado anterior e envolve-se bem. Unta-se uma forma com margarina e polvilha-se com farinha. Verte-se a mistura na forma. Vai ao forno pré-aquecido a 180º, aproximadamente 40 minutos ou até estar firme. Deixa-se arrefecer e desenforma-se. Bjs a todas/os e desculpem os meus devaneios patéticos. Mas isto sou eu, no meu mais puro estado.

11 comentários:

  1. Amiga, eu também sofro dessa doença ;) mas gosto de ser assim e sinto-me ser poupada, ou mehor, não ser desperdiçada. Pouco naquilo que acho que devo e me faz falta. Se morá-se mais perto do trabalho, não penses que ia de carro, porque gsto muito de andar a pé. Aliás devo recomeçar as minhas caminhadas brevemente, porque já sinto saudades e falta (ai as férias fazem tantos estragos,lol) e acredita que que também aproveito as caixas da margarina, porque são muito jeitosas para oferecer com bolachas pelo natal a amigos, depois de forradinhas, claro :).
    A tua tarte é um exemplo de aproveitamentos e certamente deliciosa ;). Também fiz uma compota de ameixas para aproveitar umas que se estavam a começar a estragar... já um costume entranhado :)

    Beijos grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Susana agora deixaste-me a pensar nisto das caixas da margarina forradas. Tens de me dizer como forras, que eu nisto de trabalhos manuais sou muito trapalhona. O ano passado ofereci entre outros mimos, umas bolachas de manteiga feitas por mim numas caixas que fiz de papel. Acredito que nas caixas da margarina ficam mais acomodadas e protegidas. Tens de dar-me umas dicas. bjs do coração.

      Eliminar
    2. Olá amiga :), pois decerto teriamos muito que conversar sobre esse assunto. Eu também não sou grande especialista em trabalhos manuais, mas uns ajustos aqui, uns retoques ali sempre se faz um embrulhinho bonito. Com alguns papeis coloridos, restos de tecidos, umas fitas e alguma imaginação faz-se embrulhos repletos de carinho. E com alguma sorte são recebidos com alegria e reconhecimento ;)

      Beijinhos com saudades.

      Eliminar
  2. Ai Carla ... No outro dia dei por mim a fazer uma lista das listas que tinha de fazer! E disse para cmg: Isto não é nada normal Ana Cristina! Caramba, uma pessoa estica de um lado estica do outro mas chega-se a um ponto que já chega! uma pessoa tb tem necessidades !!! :P E como tu bem dizes sempre se poupa no psicólogo :D
    A minha avó tb guardava as caixinhas de margarina e na altura chegava até a dizer-lhe que não era caso para isso! Ao que ela sábiamente me respondia: No poupar é que está o ganho! Ah pois é ... 0,50€ aqui, 0,20€ alí... Elas é que sabiam ;)
    Agora também fiquei curiosa com as caixinhas forradas :P

    A tarde ficou de certo bem deliciosa e mais saudável com os iogurtes !

    Beijinho doce :)

    ResponderEliminar
  3. Pois, Poupança é a palavra que anda na cabeça de toda a gente! Gostei da tarte e sou bem capaz de a fazer com as bananas que agora amadurecem de um dia para o outro. (É impressionante, vieram verdes do supermercado e já estão a ganhar pintinhas!)
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Andar a pé faz maravilhas, eu que o diga, que ando 90mins/dia (ah pois, vou e venho a pé do trabalho!!! - não gasta assim tantas solas, lol).

    Adorei esta tarte simples, que é versátil para a fruta da época. Já a levo comigo (a receita, claro, porque tu, poupadinha como és, aposto que nem me oferecias uma fatia...)

    ResponderEliminar
  5. A tarte ficou com um aspecto mesmo delicioso.
    Achei imensa graça, é que eu também falo comigo mesma :)
    Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Faz bem sermos poupadinhos mas não a comer esta tarte.
    Ficou fantástica.
    Digo-te acabou-se os teus maus tempos com tartes!
    Parabéns! :D

    ResponderEliminar
  7. Como te percebo. A palavra poupar já está gasta. Ouvimo-la em toda a parte. Por vezes apetece cometer um ou outro excesso. Porque não? Uns mais acessíveis do que outros. Uns com maior ou menor frequência. O importante é também nos sentirmos felizes. Se é de uma sobremesa que precisamos, façamo-la. Se é de uma ida ao cabeleireiro, marquemos hora. Se são aqueles sapatos que vimos em determinada montra (e achamos que os vamos calçar mais do que uma vez)compremo-los. Se é um produto do supermercado de determinada marca, adquiramo-lo uma vez por outra. Agora, trocar de carro de dois em dois anos viajar para sítios longínquos ou passar a vida em restaurantes é outra história completamente diferente.Poupar é aprender a ser razoável com os gastos mas de forma a que não passemos a vida infelizes.É também importante que nunca poupemos nos afetos.
    Já agora, e sem ser com o objetivo de poupar as minhas marmitas com brand, reutilizo as caixas de gelado, mas com um propósito muito altruísta: o de oferecer as coisas que vou fazendo à família e aos amigos. Assim não têm de me devolver as caixinhas.
    Um abraço.
    Patrícia

    Não sei ainda do que gostei mais. Se desta reflexão sobre poupança se da tarte. Sou gulosa mas não me consigo decidir.

    ResponderEliminar

Comentem e critiquem à vontade. Estou aqui para partilhar e também para aprender. Apenas não serão publicados comentários sem serem assinados e desprovidos de sentido.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...