22 setembro 2016

Lumaconis com carne picada de peru e frango

Alterei toda a minha rotina de fim-de-semana e ando nas nuvens com estas mudanças. Por um lado dedico menos tempo à cozinha, mas por outro pus-me em primeiro lugar na lista e dedico mais tempo a mim, que no fundo também mereço. Sábado comecei o yoga e domingo tenho a hidroginástica como habitualmente, o que implica não ir a correr fazer as compras nas manhãs de fim-de-semana ou as tarefas da casa. Estou calma e tranquila, e acabo por conseguir fazer tudo na mesma. Casa arrumada, roupa lavada, refeições na mesa. É tudo uma questão de prioridades, e neste momento eu sou a prioridade. Que me perdoem o egoísmo, mas há alturas na vida que temos de nos pôr no início da lista e não no fim. 
Era impensável para mim não rechear esta massa uma a uma. É verdade, assim ditava a minha mesquinhez e perfeccionismo, mas depois de uma aula de yoga que me deixou a levitar, ele há coisas que deixam de ter importância, tais como rechear a massa uma a uma. O efeito foi o mesmo (colocar a carne por cima da massa) e posso afirmar que ficou um prato muito bom. Além de bom, rendeu, rendeu, rendeu. Sim, rendeu para 3 refeições, acompanhadas de salada e uma sopa leve, o que se pode concluir que me sobrou mais tempo ainda. Tempo para cuidar de mim. Se é bom? Oh se é!

19 setembro 2016

Açorda de pimentos e tomate com carapaus fritos

A vida dá realmente muitas voltas e só nos surpreendemos quando nos tornamos adultos. A comida tem muito destas coisas. Quem me dizia a mim que um dia eu ia crescer e comer açorda como se fosse um prato muito especial. Já não falando dos carapaus, porque esses eu não os troco, desde miúda, nem por lagosta. Sempre que vou visitar os meus pais sinto o cheiro de carapaus fritos. Abro o frigorífico como se ainda pertencesse àquela casa que me encheu de tão boas memórias. Se houver carapaus no frigorífico lá vai a minha mãe buscar um prato e o meu pai o pão. Mas tem de ser pão duro pai, quero pão duro! Explico sempre o mesmo, tem de ser duro. Como se explica esta química que se dá em mim, combinando carapaus fritos do dia anterior e frios, comidos com as mãos e "depenicando" o pão duro entre as "polpas" do peixe? Como se explica isto? Como se explica as sensações que tenho com certos pratos? Haverá resposta para o facto de me apetecer um prato de Nestum com mel sempre que as noites arrefecem? Haverá resposta para sentir o cheirinho do peixe frito sempre que o elevador chega ao 5º andar do n.º 13? E tantas vezes foi um cheiro que só a minha imaginação sentia. Terei 20, 40, 50 ou 60 anos, que destaparei sempre todos os tachos que borbulham ao lume do fogão da minha mãe para espreitar o que ela está a cozinhar. Parece-me sempre tudo tão bom, tão familiar, tão reconfortante. E sim, matei saudades da açorda e dos carapaus fritos, desta vez feitos por mim. No fundo estou na fase da "confort food", depois desta se seguirão outras, agora quero mesmo saborear estes pratos. São servidos?

16 setembro 2016

Arroz de galinha rápido

Depois de tudo organizado para as novas etapas cá por casa, nada como vir partilhar mais uma receita. Um arroz ultra rápido de fazer com a galinha caseira que veio parar ao meu frigorífico, já depenada, partida aos pedaços e livre das peles e gorduras maiores. Como era para sobrar utilizei um arroz branqueado, agulha que era o que tinha em casa, que no dia seguinte continua bem soltinho, mas se não fosse, teria escolhido o arroz carolino normal. A escolha é vossa. Eu acho que fica uma refeição bem simpática e rende muito, especialmente tempo, pois no dia seguinte podemos ir passear e quando chegarmos a casa é só aquecer e está pronto o almoço.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...