28 abril 2017

Bolachas (bolinhos) de manteiga e baunilha

Havia um pedido especial de umas bolachas de manteiga pendente há muitos meses. Fui arrastando o pedido, não porque não as queria fazer, mas porque saberia à partida que a pessoa ia comê-las de uma só vez, por serem as suas bolachas preferidas. Fiz o gosto à pessoa finalmente com a promessa que não iria abusar, pois não são as bolachas certas para alguém que tem de controlar o açúcar, não porque têm muito açúcar, mas porque como são as suas preferidas ia comer a triplicar. Dividi a culpa por dois, e metade das bolachas ficaram em minha casa e assim a minha consciência pesou menos. Agora em breve vou pensar numa alternativa com menos culpa para mim e menos açúcar e manteiga para a pessoa gulosa. A receita já está pelo blogue, que vi no blogue da Joana Roque, mas estas fi-las com um cheirinho a baunilha e cortadas de uma forma mais rápida e mais grossas em jeito de bolinho. Bom fim-de-semana! Cuidem-se e não abusem!

21 abril 2017

Vol-au-vent de bacalhau e camarão

Um destes dias o "piolho encardido" estava como se o mundo fosse acabar naquele dia. Trombado, frustrado e muito zangado. Estávamos a jantar e ao ver a cara dele assim e a saber o porquê, deu-me uma enorme vontade rir, e soltei uma das minhas gargalhadas. Ele ficou mais chateado ainda. Eu só lhe disse, que ele tinha 11 anos e ainda tinha tempo para perceber realmente as coisas que são importantes na vida. E enquanto lhe murmurei essa frase pensei na minha mãe que no dia a seguir ia para o hospital ser submetida a mais uma cirurgia, e isso sim, isso é que era importante. Ajudá-la, apoiá-la e que o destino a  trouxesse de volta a casa sã e salva. Tudo o resto são pormenores insignificantes nesta vida que tem tantas coisas boas e outras más que realmente valem a pena, pular de alegria ou sofrer por elas. Ao fim dos anos se levarmos uma vida com otimismo, serenidade, sermos gentis para com o próximo, ajudarmos os nossos entes queridos e os outros também, tudo isso se reflete no nosso rosto, tornando as nossas rugas de expressão num rosto com sorriso constante e de gargalhada fácil. Todos os outros carregam o peso da maldade, e nunca serão felizes mesmo com as coisas boas da vida. Eu não quero ser assim nunca! A minha mãe está bem! Agradeço aos Deuses que me protegem embora eu ainda os procure. Bom fim-de-semana!


18 abril 2017

Trufas de cacau e amêndoas

Já é a segunda vez que faço esta receita da Sarinha, e ela é testemunha. São tão boas que tive de fazer duas vezes só para ter mesmo a certeza. São saudáveis e tão fáceis de fazer que vão querer repetir todas as semanas.

17 abril 2017

Penne de azeitona com bacalhau, pimento amarelo, anchovas e broa de milho

Estava aqui a pensar em como adoro Lisboa, apesar de me cansar por vezes de ter de andar no meio de tanta gente, tantos turistas, tanto trânsito, tanta confusão. Todos os dias apanho 3 transportes para o trabalho. Uma parte de carro e as outras duas de transportes públicos. Uma canseira diária, por isso tenho a dizer que estes dias de descanso em casa me souberam pela vida. Esta coisa de não ter nada planeado, de poder dormir umas sonecas no sofá com o meu cão e sem horas para nada, a não ser a ida ao yoga que adoro de paixão. Posso concluir que aproveitei bem estes dias, agarrando-me às coisas boas da minha vida e jogando para o lixo tudo aquilo que não me serve para nada. Pois é, a partir do momento que começamos a pensar mais em nós, há toda uma felicidade que julgávamos nunca vir a sentir, por isso nunca me senti tão em paz comigo própria. Agora fiquem com uma receita tão boa quanto simples, com o sabor  das anchovas que perfumam muito discretamente o prato e sem ninguém dar por elas. Boa semana!


11 abril 2017

Salada de tomate e mozzarella com azeitonas e cebola roxa

A fazer lembrar a salada Caprese, mas com mais umas coisinhas à mistura. É muitas das vezes o nosso jantar nos dias quentes, quando o "piolho" decide dormir nos avós na altura das férias. Assim com um jantar relâmpago a fazer, sobra tão mais tempo para descansar. Boa semana!


07 abril 2017

Pato desfiado com molho de ostra e rebentos de bambú

Sábado passado foi dia de juntar à minha mesa a família, a de perto, a de longe, e uma festa de aniversário surpresa à mistura. Arranja-se espaço para todos, apesar da minha casa não corresponder ao tamanho da minha vontade e do espaço que tenho no meu coração para guardar todos.
Adoro passar o dia na cozinha, fazer vários pratos e alguns milagres com o meu forno pequenino, que de repente se torna gigante nestes dias. Eu fico em stress como habitualmente, pois lido com estes almoços como se a minha cozinha se transformasse num restaurante. É o mais perto que tenho de chegar a este sonho que apareceu já tarde na minha vida.
Entre abraços apertados, beijos repenicados, brindes à família, saiu um arroz de pato. E tudo isto para vos dizer que sobrou algum pato desfiado, e o caldo que pela pressa de arrumar as coisas joguei fora. Então tive de decidir rapidamente como transformar estas sobras de pato numa refeição minimamente saborosa e apresentável. E cá está, acho que me saí bem.
Bom fim-de-semana! Aproveitem a vossa família, mimá-los é também vos mimar a vocês próprios.

05 abril 2017

Filetes de solha com crosta de broa de milho, coentros e azeitonas verdes

Gerir uma casa, trabalho fora e filho, até agora era relativamente simples, apesar de muito trabalhoso. Faltava-me sempre tempo para as minhas coisas, mas nunca me queixei muito. De há uns meses para cá que há mais um membro na família, e mesmo tendo quatro patas dá tanto trabalho como tivesse tido mais um filho, e sim, agora sinto-me mãe de dois. Os dois pedem-me a mesma atenção, são os dois desarrumados, andam sempre à "bulha" como dois irmãos e deixam-me com os nervos em franja. Portanto, o tempo tornou-se ainda mais curto para as minhas coisas. O tempo que gostava de dedicar às minhas receitas e ao blogue por exemplo. No fundo nós mulheres temos todas o mesmo problema em mãos. O tempo. O tempo que não temos para fazer tudo aquilo que a sociedade indiretamente nos exige. Mas não seja por falta de tempo que não alimentamos a família diariamente, mesmo que seja com refeições pateticamente simples como a de hoje, e que fazem companhia a um creme simples de legumes. Eu cá acho que me saí bem, mesmo (outra vez), que os filetes de solha tenham encolhido para metade do tamanho. Viva nós!

03 abril 2017

Sardas escaladas grelhadas


Um destes dias saí para comprar peixe. Entre os habituais, decidi levar sardas, pois não havias cavalas, e como são parentes próximas, achei que cá em casa iam gostar. Eu comi muitas na infância, mas grelhadas não me lembro de comer. Sempre que faço uma experiência nova com peixe, é muito fácil, basta um azeite com uns pozinhos e depois umas ervas por cima e eles gostam sempre. E assim foi, adoraram sardas grelhadas e ainda disseram que eram melhores que as cavalas. E eu? Eu fiquei toda contente por ter mais um peixe de mar, bom e barato, na lista de compras. Experimentem e digam o que acharam!


Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...