30 novembro 2015

Chutney de cebola roxa

O "piolho" adora chutney de cebola roxa. Sempre que vamos comer um bitoque onde podemos escolher o molho, ele escolhe sempre o bife com chutney de cebola roxa. A pensar nele lá fiz uns frasquinhos para guardar e ir consumindo de muitas maneiras. Com queijo, no hambúrguer no pão, numa carne assada, com as sobras de um assado numa sandes, as possibilidades são muitas. Como é para consumir em pouco tempo não coloquei muito açúcar, mas se for para durar e durar, há que dobrar a dosagem para garantir que fica bem conservado. Podem triturar depois de feito, cá por casa preferimos os pedaços de cebola à vista.

25 novembro 2015

Wraps com nuggets de frango e molho de iogurte e coentros

O "piolho encardido" depois de duas idas às urgências, de medicamentos, muitas sonecas e muita preguiça, começa a dar sinais de melhoras. Prova disso é a sua rebeldia a vir ao de cima e os seus pedidos culinários. Ele bem sabe que nunca nego tais pedidos, nem que seja feijoada ao lanche ou canja ao pequeno-almoço, como já lhe fiz. E enquanto escrevia este post, fui fazendo umas panquecas como ele tanto gosta.
Até eu já me sinto mais animada para vir aqui partilhar o meu tempero. Hoje sai uns wraps que andam aqui nos rascunhos há tanto tempo, e como a receita é fácil de explicar, não passa de hoje. Cá por casa adoramos estes jantares leves que fazem companhia a uma sopa.


23 novembro 2015

Crème brûlée (com baunilha)

A semana não começou bem. Nem sempre estamos preparados para as situações menos boas nesta "coisa" de sermos pais. Nem sempre tudo é perfeito, nem sempre são boas notícias e às vezes eles também adoecem e mesmo que não seja nada de grave, o nosso estado de alerta fica bem mais apurado. Ainda ontem contava ao "piolho" que quando ele nasceu não larguei a mão dele no hospital com medo que mo roubassem. E quase dez anos depois a sensação mantém-se. Acho que no fundo todos os pais sentem o mesmo. 
Sempre que se aproxima o mês de dezembro recordo esse dia e todos os momentos até trazermos o "piolho" para casa. Um misto de alegria com alguma apreensão. Mas cá estamos, eu e o "mais-que-tudo" a fazermos a melhor das equipas para tornar este grande trabalho das nossas vidas muito mais fácil.
Agora vamos à sobremesa, um crème brûlée, que é bem diferente do nosso tradicional leite-creme. O leite-creme engrossa no fogão com farinha de trigo (eu gosto de usar amido de milho) e leva leite, ao contrário do crème brûlée que leva natas, apesar de ter misturado leite para ficar menos calórico, e vai a cozer no forno em banho-maria. As texturas são bem diferentes e nada como experimentarem para verem do que falo. Eu gosto de ambas.


17 novembro 2015

Bolo de pêra e citrinos (sem batedeira)

Fiz este bolo a pensar em ti. Húmido como tu gostas, e não mal cozido como achas que ficam os bolos que julgas que são húmidos porque estão apenas mal cozidos. Rendi-me aos teus bolos só porque sim, ou na verdade, porque não haveria melhor maneira de os fazer, que não fosse mesmo por querer ver-te deliciado a comê-los. Sei que teimei tantas e tantas vezes, sem querer ceder à tua tão obsessão por bolos húmidos. Tantas vezes me apeteceu dar-te a massa crua dentro da tigela e a colher de pau para que comesses o bolo realmente "mal cozido". Sei que não sou fácil de convencer, sei que não sou fácil de compreender, sei que continuo a ser a miúda de 22 anos que conheceste (reencontraste) mimada, estranha e louca q.b., mas que o tempo mudou e aligeirou, que o tempo fez descobrir outras caraterísticas que não estavas preparado para conhecer em mim. O tempo foi o culpado de tudo. O tempo que perdi a cuidar dos outros sem pensar em mim, fui-me esquecendo. Quando me descobri, descobri também que ninguém estava preparado para me (re)conhecer. O tempo que perdi a fazer este bolo, era o tempo que eu precisava que os outros perdessem a reconhecerem-me, porque no fundo, eu sou apenas uma versão mais refinada daquilo que já fui. O tempo que passar, passarei sempre com tempo quando fizer os bolos húmidos que me pedes há tanto tempo, e eu a achar que era tempo perdido e afinal, ainda fui muito a tempo de torná-los também os meus preferidos. Já te disse que te amo? Ainda vou a tempo?

12 novembro 2015

Solha no forno com crosta de coentros e limão e batatinhas "a murro"

Como a maioria das mulheres (julgo eu) tento manter um equilíbrio na alimentação da minha família. Comer de tudo um pouco e preferir sempre produtos frescos e não processados, como muito se tem falado. Claro que quando o assunto arrefece já ninguém tem cuidados ou pensa muito nisso. Eu cá continuo a fazer o que sempre fiz, equilibrar. Uma das coisas que tentei mudar também ao longo dos anos, foi o consumo de peixe. Cresci numa casa que se comia muito peixe, e ainda hoje é assim. Quando fui viver para a minha casa, o "mais-que-tudo" vinha muito mal treinado com o peixe, era vê-lo engasgar-se a toda a hora, e com o receio fui preferindo os medalhões, mimos, tranches e afins, ou então o salmão e o bacalhau que eram fáceis de comer. A pouco e pouco fui introduzindo novos peixes, ensinando as regras base e de como safar-se sem ficar atravessado com uma espinha na garganta. Comecei sempre pelos fáceis, bacalhau, postas de salmão e pescada, depois os carapaus, o peixe espada, um dia um robalo, noutro uma dourada, noutro um pargo e por aí fora. Ganhei esta batalha com todo o orgulho de uma mãe de família que zela pelo melhor de todos. O "piolho" obviamente levou com este tratamento choque do peixe com espinhas desde que me lembro. Até mesmo um simples bacalhau à brás ou outros pratos com o peixe em lascas, eu digo sempre, não confiem em ninguém, nem em mim, porque podem sempre encontrar uma espinha. Durante meses, anos até, fui repetindo sempre a mesma coisa, cada vez que levava peixe à mesa. Puxem a pele, retirem as espinhas de lado assim, ponham-nas fora do prato, olhem para a garfada antes de pôr na boca, depois sintam com a língua e só depois engulam.
Imagino como fui chata...Mas está feito, a minha missão "peixe com espinhas" está cumprida! Quer dizer falta as sardinhas vá... que é só o meu peixe predileto... mas eu vou chegar lá.

11 novembro 2015

Broas de batata doce, mel e nozes

Não são obviamente broas castelares, nem de espécie, são as broas que eu gosto de fazer, sem calda de açúcar em ponto específico e outras complicações para dias mais ocupados. São b(r)oas para fazer em casa, rústicas e pouco doces como eu gosto. Nada de açúcar, apenas mel para adoçá-las. Ficam muito molinhas por dentro e perfumadas. Depois é dividir pela vizinhança.

09 novembro 2015

Almôndegas de frango com cenoura e courgette

Sexta-feira passada o "piolho" teve passeio na escola. E eu tinha de pensar no almoço que ele iria levar. Tinha de ser prático a comer, saboroso e equilibrado. Pensei e lá decidi fazer uns hambúrgueres de peito de frango com legumes. Embora eu não precise de esconder os legumes, é uma maneira eficiente de tornar a carne menos seca e ingerirmos legumes quase sem nos apercebermos, já para não falar que dois peitos de frango (peito inteiro de 1 frango) renderam além dos 2 hambúrgueres que ele levou, mais uma fartura de almôndegas que se fizeram num ápice e com a ajuda  do tomate em pedaços com manjericão e orégãos Guloso. Podemos sempre brincar com as texturas ralando a cenoura mais finamente e a courgete maior.

05 novembro 2015

Sopa de frango e legumes

Estava aqui a pensar com os meus botões naquela frase que faz muito sentido em todos nós. Que só damos valor às coisas ou pessoas quando as perdemos. Isto a propósito de ser uma pessoa bastante arrumada lá em casa. Durante anos não saí de casa sem arrumar tudo primeiro, tirando uma coisa ou outra que não posso fazer por algum motivo, mal eu acordo faço a inspeção matinal a tudo. Sou demasiado arrumada, mas para bem da minha sanidade mental gosto de o ser. Gosto de ter tudo no lugar, e mesmo que não limpe o pó semanal, tudo o resto tem de estar sempre impecável. E olhem que lá por casa já vi com estes olhinhos muita coisa estranha, assim só para resumir: cascas de banana dentro da gaveta da roupa interior; cachos de uvas debaixo do sofá; frigorífico ou congelador completamente abertos durante a noite; manteiga literalmente pendurada nos azulejos da cozinha, e tantas outras pérolas que o dia não chegava para vos contar. Arrumo, limpo e raramente reclamo, muito raramente mesmo. Até porque acabo por me rir sozinha destes achados diários destes meus dois amores. E não vale a pena perder tempo com isso, que não seja arrumar e pronto. Da mesma forma que eu espero que contornem os meus defeitos, que os tenho e muitos, sem grandes alaridos e reclamações. Mas no dia que eu saí de casa à pressa, e só tinha duas opções, ou chegava atrasada ao meu destino ou deixava a casa imaculada como sempre, escolhi a primeira e nesse dia notaram efetivamente e em tom estranho fizeram reparo. E eu a pensar que nem davam por mim por ser tão arrumada e que o que faço diariamente passava despercebido e afinal... Isto fez-me lembrar aquele filme do David Linch que vi há anos, sobre um velhote que partiu no seu trator em viagem, decidido a procurar a irmã que há anos estavam zangados, e quando chega ao destino depois de algumas peripécias, recebeu a triste notícia que ela tinha acabado de morrer. Pois é, às vezes é preciso medidas drásticas para acordarmos de vez para a dura realidade que é, não darmos valor às pessoas enquanto elas estão connosco. Um dia pode tudo mudar e já não irmos a tempo de remediar o que muitas vezes pensamos que já não tem remédio, quando só a morte determina mesmo o fim de tudo.
Com isto tudo até me esqueci de colocar a receita. Uma sopa muito aromática com um caldo que se faz sem pressas e que o tomate seco perfuma e se esconde no fim.

02 novembro 2015

Cuscuz aromático com salmão e camarão ao vapor

Este fim de semana o meu ponto alto foi levar o "piolho encardido" ao sushi. Ficou prometido levá-lo lá todas as vezes que faz os testes e trás de volta "Bom" a tudo. É uma boa desculpa para mim, que fujo sempre ao sushi porque na verdade não fica barato. Ele delira e agradece-me sempre tanto, e eu nada me importo por todo o dinheiro gasto, só para ver aqueles olhinhos a brilharem. Ele compreende bem que apesar de eu adorar de paixão cozinhar, não tenho mãos para este tipo de gastronomia. Lá me desenrasco com as gyosas e pouco mais, portanto há que aceitar as minhas capacidades. Assim que chegamos ao nosso restaurante de sushi preferido nem precisamos ver a ementa, é praticamente uma dose de cada, porque este puto tem uma grande prática com os pauzinhos e um apetite de adolescente. E o que é que o cuscuz tem a ver com o sushi? Nada pois, mas tem a ver comigo e com ele, pois é um dos pratos que ambos apreciamos.


Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...