31 janeiro 2017

Salada de camarão e mexilhão com molho cocktail

Não sei se o fim-de-semana passa a correr, ou se eu corro o fim-de-semana inteiro. Chega ao fim de domingo e sinto-me exausta, completamente exausta. Talvez tenha de gerir melhor o meu tempo e deixar algumas coisas para trás, que no fundo não me prejudicam nada se as fizer noutro dia. Prometo a mim mesma que o próximo será sempre mais calmo e com tempo para descansar, mas nunca cumpro esta promessa. Para despachar um dos almoços elaborei uma salada bem colorida a fazer lembrar as saladas tropicais. Regada com um dos molhos Heinz, porque eu também mereço as facilidades que o mercado nos dá e não ter de fazer o molho caseiro, que também gosto muito, mas gosto ainda mais de facilitar a minha vida enquanto não me organizo com o tempo dos fins-de-semana. Boa semana!

30 janeiro 2017

Dourada escalada com molho de pimento vermelho

Comprar peixe de mar é uma barbaridade de preço se fugirmos dos carapaus, cavalas, etc. Mas apetecia-me tanto comer uma dourada grelhadinha com um molho simples mas especial. E assim foi, levei para casa uma dourada de mar bem carota, mas que me soube tão bem. Ultimamente tenho tentado fazer escolhas mais acertadas mas não é fácil gerir o orçamento, quando a diferença entre mar e aquacultura é 2 a 3 vezes mais caro.

26 janeiro 2017

"Crumble" de maçã (com muesli)

Há sempre boas maneiras de reduzirmos o açúcar e continuar a fazer sobremesas deliciosas. É que eu ando mesmo gulosa, e então preparei uma espécie de crumble bem simples com a ajuda do novo muesli da Kellogg´s que é perfeito para fazer companhia às maçãs. Usei o de frutos secos, mas o de fruta também ficará bem com toda a certeza. Provem e comprovem!



24 janeiro 2017

Quesadillas de queijo, bacon e milho doce

Tendo as tortilhas em casa, sejam de milho ou trigo, é muito fácil preparar um lanche ou uma refeição ligeira, acompanhada de salada e sopa. Podemos juntar ao queijo o que bem nos apetecer, é abrir o frigorífico e decidir na hora.

23 janeiro 2017

Salada de beterraba com mozzarella e cebola roxa

O fim-de-semana passou a correr. Estou cansada e só me apetecia ter ficado em casa a fazer ronha da boa com o meu "pulguento" a aquecer-me os pés. Infelizmente a vida não pode parar. Eu sou uma mulher de força que não me deixo vencer pela preguiça, e assim que abro os olhos de manhã encho-me de coragem e salto da cama cheia de genica para enfrentar mais um dia, com todas as tarefas que qualquer mulher tem de fazer de manhã antes de seguir caminho para o trabalho. Se me faltar incentivo, recordo o meu novo amigo que conheci nos passeios com os cães, um senhor de 81 anos que dá aulas de computadores, está a estudar música e fala como a vida ainda lhe fosse dar muitos mais anos. São exemplos destes que me fazem querer ser melhor e deixar-me de tretas quando me sentir preguiçosa. E para me dar mais força ainda, uma salada de beterraba cai sempre bem. Boa semana!

19 janeiro 2017

Tarte tatin de peras bêbedas (com massa folhada)

Um convite "oficial" feito de forma muito carinhosa, sem direito a recusa, nem invenções de desculpas esfarrapadas, embora a minha vontade de ficar por casa sossegada no fim de ano fosse uma boa desculpa. Nem sequer pensei, pois a companhia era demasiado boa para não aproveitar, além de ser perto de casa. Lá fomos todos animados, e conosco também foi esta tarte tatin que em cima da hora vi num programa de televisão. Achei a ideia genial e quis experimentar. Nem foi preciso anotar a receita, segui o meu instinto e fiz como achei melhor. No regresso trouxe comigo o carinho dos meus amigos e dos meus sobrinhos emprestados que adoro e que me dão sempre vontade de os levar para minha casa, e ainda um truque espetacular para cozinhar gambão selvagem sem perder a textura da carne e ficarem molengos (assim que puder partilho a receita), ensinado pela amiga que nem liga a estas coisas da culinária. Quem diria que um dia ela ia ensinar-me uma receita... É bom ter amigos e família por perto. Nada na vida supera os momentos agradáveis que passamos com as nossas pessoas queridas.

17 janeiro 2017

Almôndegas de vaca com legumes e molho de natas com ervas

Janeiro é efetivamente o meu pior mês de contas. É o mês de poupanças para recuperar os gastos das festas, e para me preparar para fevereiro, mês do carro e de mais gastos ainda. No fundo penso que acontece com toda a gente, janeiro é o mês de apertar o cinto para a maioria de nós. Mas não é por fazermos mais um "furo no cinto" que as refeições têm de ser enfadonhas, nah, nah, nada disso. Podemos sempre aprimorar e mimar a nossa família. Os meus rapazes não são esquisitos, sendo assim, umas almôndegas de carne que rendem o dobro misturadas com legumes e depois mergulhadas numa piscina de molho saboroso, parece-me bem, o que acham?
São fáceis de fazer como sempre e como a cozinha que me identifico neste momento, o futuro não sei.


16 janeiro 2017

Creme de couve-flor com feijão verde e cenoura

Um sopinha quente a fervilhar na tigela, e a cada colherada um assopro para que arrefeça um pouco. A juntar à sopa, a companhia dos meus rapazes, que agora são 3, mais uns passeios pelo campo, filmes no sofá, risadas à mesa, limpezas em casa e lanches demorados. Pedir mais para quê, o frio também trás coisas boas, e o sol de inverno apaixona-me tanto por ser tão inesperado. Boa semana!


13 janeiro 2017

Espetadas de frango com gengibre

Hoje apetece-me fazer o balanço destes 3 meses do novo membro da família, o Scott. A família Sousa ganhou uma nova dinâmica no início de outubro passado. Primeiro estranhou-se e depois entranhou-se. Hoje ele está inserido nas nossas rotinas e nós nas dele. Aos poucos fomos-lhe retirando privilégios, pois agora que já vai à rua, nada de se enfiar nos lençóis. 

Já fica sozinho algumas horas e até nem se porta mal para o que eu previa, pois deixo-lhe praticamente a casa toda aberta para ele não se sentir preso. Gosta de roer, mas ainda não roeu grande coisa, uns rodapés de cortiça, os cortinados, as suas mantas, um puf, 3 pares de pantufas, comeu algumas plantas, o nariz do boneco Snoopy e uma orelha do pai natal, sinceramente nada de especial, e olhem que falo a verdade, sinto mesmo isto que estou a escrever. 

Os xixis e cocós sempre no resguardo com os jornais por cima, e em troca recebia sempre um biscoito. Chegava a fazer uma pinguinha de minuto a minuto só para receber o biscoito. Um dia decidi que ele já estava treinado e acabaram-se os biscoitos. E ele? Ele é muito esperto e começou a fingir que andava esquecido. Lá voltei aos biscoitos de recompensa e ele lembrou-se logo onde devia ir fazer as suas necessidades. 

De noite acorda a pedinchar os meus lençóis mas eu tenho de ser forte e dizer sempre não. Sabem o que ele faz? Faz-me um grande xixi à porta do quarto. E eu sei bem que isto é por vingança. Respiro fundo e não desisto de o por na linha como uma verdadeira líder da matilha. 

É um viciado em comida e cheira a milhas quando abrimos o frigorífico, ou não fosse ele um cão de caça. Adora cheirar tudo, escavar no sofá, dar grandes saltos e essas coisas giras. Já para não falar que um dia estávamos a jantar e ele saltou-nos literalmente do sofá para cima da mesa, onde morava um franguinho bem cheiroso. 

Eu sabia destas características todas da raça e achei-as perfeitas para mim e para a minha louca família. Um cão cheio de energia, que subisse e descesse os 3 andares da minha casa sem pestanejar e adorasse praia e campo. Ele endoidece com a praia e passeia no campo ao nosso lado sem trela todo destemido. Ele é perfeito para nós, e nós para ele.

O "piolho encardido" trata-o como um irmão, daqueles que brincam à pancada e andam sempre a fazer queixas um do outro e com a ciumeira incluída. Um dia caiu em cima do cão e lá fomos nós para o hospital. Uma costela aleijada. Rx, medicamentos, injeções e muito repouso pelo menos 4 dias. Pois, pois, repouso dizia a médica... Uns dias depois o cão rasgou a orelha do "piolho" e nós: outra vez, lá temos de ir para o hospital para este levar pontos... Mas não foi preciso.

Eu podia alongar-me muito mais, há tantas histórias giras deste pequeno peludo mas vou passar à receita, umas espetadas simples sem grandes calorias, para fingir que me tenho portado bem. Bom fim-de-semana!

11 janeiro 2017

Queques de beterraba com sultanas e mel

Estou viciada em guloseimas. Não passo um dia sem comer qualquer coisa doce. Ainda ontem roubei de fininho dois bombons ao frasco e comi às escondidas assim em jeito de: "se ninguém ver é como se nunca os tivesse comido". E eu que tinha prometido no fim-de-semana passado deixar o açúcar de lado e ir procurá-lo na fruta para satisfazer esta minha gula. Pois bem, foi a pensar nisto que elaborei uns queques de beterraba bem saborosos e bem doces com a ajuda das sultanas, das amêndoas e um pouco de mel. O problema é que comi logo dois de seguida... Um para provar e outro para comprovar.  Shame on you Carla!



09 janeiro 2017

Fettuccine com camarão e salmão fumado

Um prato de massa para começar a semana. Simples mas reconfortante. Como hoje estou de poucas palavras sigo já para a receita. Boa semana a todos!

05 janeiro 2017

Bacalhau com broa e alheira

Há sempre mais uma maneira de fazer bacalhau com broa e eu cá nunca me canso de testá-las, tudo para fugir ao bacalhau cozido com grão. A desculpa que a broa estava a estragar e a alheira precisava de companhia veio mesmo a calhar. Eu cá acho que fica uma travessa bem simpática.

01 janeiro 2017

Quiche de cogumelos e bacon

Por aqui aproveitou-se o primeiro dia do ano da melhor maneira. Não houve grande espaço para balanços anuais. Não costumo fazer a retrospetiva, sou demasiado emotiva para me lembrar do passado, pois tenho este terrível dom de transformar em drama até as coisas boas que me foram acontecendo. Portanto o meu balanço vai ser transformado em coisas patéticas que de uma forma ou outra me fizeram rir ou porque eram demasiado impossíveis de me acontecer, e olhem que me aconteceram coisas mesmo engraçadas. Também houve espaço para a seriedade nesta minha caminhada em busca da fé que perdi há anos, aconteceram muitas coincidências, muitos sinais, mas infelizmente ainda não encontrei esse caminho. Ainda não encontrei a quem agradecer.
Obrigada pelo vosso carinho diário, os comentários e emails que foram deixando ao longo do ano. Isso sim faz parte das boas lembranças de 2016. 
Desejo-vos um 2017 recheado de coisas boas, saúde e trabalho para todos, e o mais importante para mim, força para ultrapassarem todos os percalços que esta "coisa" da vida trás também junto com as coisas boas.
A receita de hoje é (mais) uma quiche que se faz em três tempos.
FELIZ 2017!



Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...