26 agosto 2017

Salada "maluca" de ovas, mexilhão e alcaparras

Sinto que ultimamente não tenho partilhado convosco coisas sobre mim, daquelas que sempre gostei de partilhar com quem me lê verdadeiramente. Digo verdadeiramente porque há leitores que gostam de espreitar apenas as fotos, outros que só lêem as receitas para verem se são consistentes ou até mesmo porque as querem reproduzir em casa e nada como passar uma vista de olhos pelos ingredientes, e depois há quem goste de ir sabendo sobre mim e os meus desabafos, as minhas parvoíces, as minhas histórias de vida e afins... 

Claro que também há uns quantos que gostam de cá vir destilar veneno, há espaço para esses também, até porque vão enchendo as estatísticas.

Eu estou bem e posso dizer que este ano está a ser uma verdadeira loucura. Tenho feito coisas que nunca esperei fazer, uma das quais, voltar a acreditar. Quando acreditamos em nós, na vida e nos outros, tudo muda para melhor. 
É esta pessoa que quero ser para sempre. Ter uma postura otimista, sorrir, dar gargalhadas estridentes todos os dias, por tudo e por nada, e abraçar muito (e longe da minha vista as alminhas malignas).

Tenho passado muito tempo a passear com as minhas pessoas, uma delas de quatro patas, que por sinal me tem ensinado muito sobre o companheirismo e o amor incondicional.

A juntar às passeatas tenho conhecido muita gente, já vos contei que tenho mais uma sobrinha emprestada que conheci de uma forma muito "sui generi"? A Bruna? Tem 15 anos e um sorriso contagiante e já veio a minha casa testar o meu tempero. Eu sou assim, e porque não abrir as portas da nossa casa a pessoas que vamos conhecendo na rua? Ela não vem sozinha, trás a sua cadela, o que torna as suas visitas bem mais caóticas, no bom sentido, pois vocês já sabem que gosto de ter a casa cheia, e quanto mais barulho melhor.

Também não vos contei que um destes dias tocaram-me à porta e eu não queria acreditar quem era... Que visita tão, mas tão surpreendentemente boa. É o que dá quando trabalhamos para o karma. Ele nos devolve em dobro. 

Agora que matei saudades de vos falar um pouco sobre mim, vamos à receita, uma salada maluca e desconcertante, mas bem boa, digo-vos com toda a certeza. Abraços a todos!

Ingredientes:
- 250g de miolo de mexilhão
- 500g de ovas de bacalhau
- 600g de batatas
- 1/2 pimento vermelho pequeno cortado aos cubinhos
- 2 chalotas finamente fatiadas
- 2 colheres de sopa de azeitonas pretas às rodelas
- 1 colher de sopa de alcaparras
- folhas de orégaos frescos q.b.
- folhas de coentros frescos q.b.
- sal grosso q.b.
- pimenta moída q.b. (usei moinho várias pimentas)
- azeite q.b.
- vinagre branco q.b.

Preparação:
Cozer o mexilhão, as ovas e as batatas em água temperada de sal (eu cozi separadamente). As ovas cortar às fatias e as batatas aos cubos.
Fazer um molho com o pimento, as chalotas, as azeitonas, as alcaparras, os orégãos e os coentros. Temperar de sal, pimenta, azeite, vinagre e mexer. Verter este molho na travessa já com as batatas, o mexilhão e as ovas. Servir morno ou frio. Bom apetite!

2 comentários:

  1. É muito bom passar tempo com a família e amigos,passear,conversar e tudo o que apetecer fazer também com os amiguinhos de 4 patas! Uma postura optimista,sorrir e brincar é essencial para o nosso bem estar emocional! as alminhas malignas deixam-se para lá a falar e a destilar veneno sozinhas,infelizmente elas aparecem por todo o lado!A salada tem óptimo aspecto,um dia destes vou fazê-la! bom fim de semana,beijinhos! :*

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Helena pelas doces palavras e por estar sempre presente a espreitar as minhas receitas. Abraço bem apertadinho :)

    ResponderEliminar