28 agosto 2015

Crepes doces de amêndoa

Um dia destes recebi um convite para comer um cozido à portuguesa. Alguém ouviu os meus desejos e tratou de preparar um, mesmo que fosse no mês que ninguém se lembra obviamente de cozido à portuguesa. Sou efetivamente uma nora muito mimada, tão mimada que sinto que tenho duas mães. Embora lhe diga muitas vezes que mãe só há uma, e ninguém ocupa o lugar da minha. Claro que digo isto em jeito de brincadeira, pois se há noras privilegiadas sou eu. Ainda me lembro quando engravidei, imaginem quem é que eu enjoei? Podia ter enjoado figos, presunto ou queijo roquefort, mas não, enjoei de uma forma bem dramática a mãe do "mais-que-tudo", de tal forma, que passei a gravidez com uma enorme vontade de lhe bater. Sempre que a via só me apetecia saltar-lhe para o pescoço, mal ela abria a boca. Só me apercebi disso muitos meses depois do "piolho" nascer e com as hormonas a voltarem ao lugar de onde nunca deveriam ter saído. Hoje brincamos com esses tempos e somos grandes amigas, amigas de verdade, daquelas que têm segredos e que nem precisam falar para perceberem o que vamos dizer. Ela esteve sempre à minha espera e nunca me abandonou, provavelmente porque calcularia que um dia eu voltaria a mim e ela também não ficaria a perder por esperar. Sou de facto uma sortuda, e hoje em dia não faço por menos, quero ter ao meu lado pessoas fiéis e verdadeiras. E no dia que saboreei o seu tão famoso cozido, ela disse-me que andava com saudades de crepes e se eu não lhe fazia uns. E assim foi, no dia a seguir fiz-lhe crepes e levei-lhe de bom grado, porque pedidos destes nunca nego!

27 agosto 2015

Creme aveludado de aipo

Um Agosto que mais parece um Setembro. Não que eu não goste da mudança de estação, aliás adoro. Mas preciso ambientar-me, até mesmo por questões de saúde. A minha asma dá-se melhor no verão, e o começo da humidade faz com que ela  "apite" para o início de novo tratamento, e essa mudança deixa-me um pouco deprimida até tudo voltar aos eixos. Enquanto me ajeito nestas mudanças, consolo-me com um creme de aipo que por vezes é esquecido na minha lista de compras de legumes. O sabor é bem característico e o "piolho" não aprova, apesar de lhe pedir que comesse só 5 colheres e encarasse isso como se fosse um remédio que fosse fazer muito bem. Eu gostei muito e vou tentar de me lembrar mais vezes de o incluir nas compras.


26 agosto 2015

Pão caseiro (sem máquina de fazer pão e num mini forno)

Há qualquer coisa de sagrado em fazer pão. Para mim é das coisas na cozinha que me dá mais satisfação interior do que qualquer outra. Tive de esperar vários anos até poder realmente dedicar-me ao pão, pois para uma pessoa impaciente como eu, não resultava. Há que saber esperar cada hora e cada minuto pacientemente até o pão estar pronto. Qualquer deslize é o suficiente para o estragar, basta por exemplo fatiá-lo antes de arrefecer o tempo devido, que o pão que possa parecer estaladiço e fofo, uns minutos depois se torne seco por dentro. Queria eu aprender tanto sobre esta arte de fazer pão, mas estou por minha conta, na minha cozinha com o meu mini forno, as minhas pequenas mãos desajeitadas e a minha grande vontade em levar pão quente à mesa para os meus dois amores, que esta semana dizem que eu estou particularmente refilona e a aproveitar mal a semana de férias "quase forçadas". Embora refilona consegui animá-los com um pão ainda morno e tão estaladiço que serviu para o lanche de hoje. Acham que eles me desculpam? 

25 agosto 2015

Tarte folhada de creme de limão e framboesas

Esta semana estou em casa em modo de férias quase forçadas. Há que arranjar coisas para fazer e passar o tempo da melhor maneira. Por isso hoje foi tarde de cinema. Eu e o "piolho encardido" vimos o filme francês "A Família Bélier". É um filme especial que nos toca de uma certa maneira a todos, filhos ou não de pais com surdez. É um filme que todos os pais deviam ver. Confesso que o final fez-me chorar de tanta beleza, e não porque foi triste. Vocês sabem, eu ainda só tenho 9 anos de prática em ser mãe, mas embora me custe ver, o "piolho" já vai voando do ninho, e é tão bom vê-lo crescer e tornar-se num pequeno homem com tantos valores e já um certo arcabouço em saber lidar com o mundo lá fora. O mundo para o qual, o meu dever é prepará-lo bem. É bom para mim ir-me preparando para quando ele voar de vez, e em vez de o condicionar, empurrá-lo do ninho para o caminho onde ele vê a possibilidade dos seus sonhos e objetivos tornarem-se realidade. Vejam o filme e percebem o que eu estou a falar.
Agora a receita finalmente, que já está guardada há muitos meses impaciente à espera que me decida partilhar, com o patrocínio da Dulcis que me fez chegar o seu creme de limão tão saboroso e prático de usar.

24 agosto 2015

Bacalhau à "MEU TEMPERO"

Para as leitoras que me andam a sugerir mais receitas de bacalhau, preparei um receita bem simples que faço muitas vezes. Embora seja uma receita prática e com meia dúzia de ingredientes, não envergonha ninguém na hora de ir para a mesa. Bom bacalhau, batatas de boa qualidade que não sejam farinhentas e um bom azeite, pão ralado para criar uma crosta que o "piolho encardido" adora sempre, e forno com ele.


21 agosto 2015

Tarte tatin de maçã

Um destes dias, eles saíram os dois com a promessa de voltarem com um saco cheio de amoras silvestres. Todos os anos gostamos de ir à aventura colher frutos a lugares que não pertencem a ninguém e a outros assim numa espécie de "caça autorizada". O "piolho" chegou a casa todo satisfeito e arranhado, porque trazia para a mãe coisinhas tão boas para além de amoras, como figos e maçãs, que só trazidas assim têm um gostinho mais especial. O "mais-que-tudo" exigiu logo uma tarte de maçã, e no dia a seguir tinha na mesa uma tarte Tatin. Como sempre ele troca-me as voltas e no momento que olhou para a tarte perguntou logo: então a tarte não tem tampa? Bem, o que ele queria era uma tarte americana, e apesar de eu ter tentado explicar-lhe a história das famosas tartes francesas Tatin ele continuava a insistir na tampa. Eu não sou de me gabar, mas morri de amores por esta tarte, fiquei tão enamorada por ela, que tive dias que não me saia da cabeça. O certo é que dias depois fiz novas tartes ao estilo americana, mas ficam bem atrás desta. A combinação das raspas de limão, da vagem de baunilha, do açúcar mascavado para o caramelo e das maçãs colhidas por eles, foi perfeita.

20 agosto 2015

Strogonoff de porco

Volta e meia o "mais-que-tudo" gosta de me lembrar e de gozar, que quando me conheceu eu fazia 3 ou 4 pratos... E eu fico a olhar para ele a contar tão embevecido ao "piolho encardido", uma história simples que parece que tem uns bons pares de anos, mas no fundo não me envergonha nada. Todos temos um passado, e é com ele que aprendemos a evoluir e a sermos melhores pessoas em tudo. Eu tenho tantas histórias engraçadas e quando olho para trás, até as asneiras que fiz fizerem sentido para o meu presente, e farão mais para o meu futuro.
E strogonoff porquê? Porque sim, porque o fiz vezes sem conta e apeteceu-me matar saudades, num dia que fiquei sozinha em casa com o "piolho", e secretamente tirei a receita do baú.

19 agosto 2015

Bolo de bolacha

Para além do bolo de iogurte, andava também com saudades de bolo de bolacha, que toda a gente da minha geração viu certamente as mães fazerem em casa vezes sem conta. É um bolo com muita manteiga, e contra isso não há volta a dar, a não ser que o façam com natas e a proporção de gordura será menor. Há quem ponha gemas, mas eu evito ovos crus nestes dias de muito calor. A verdade é que matei saudades e das boas, mas cada fatia que comi, não consegui libertar-me do pensamento da quantidade de manteiga que usei. Deixo a minha sugestão, façam bolos de bolacha sim, mas que seja a dividir por muitos, assim a culpa das calorias e do colesterol divide-se por todos.



18 agosto 2015

Risotto preto (com tinta de choco) e chocos grelhados

Durante as férias houve dias mais caseiros, que serviram para descansar e recuperar as energias, para assim estarmos em forma para novos dias de diversão. Num desses dias acordei cedo e deixei a malta a dormir. Fui à procura de chocos com tinta para fazer um mimo ao "mais-que-tudo". Finalmente consegui amanhar os chocos delicadamente, sem romper os saquinhos que escondem a tinta, para poder usá-los num risotto que ando há que tempos a pensar. Não dá trabalho nenhum, é só ter vontade e depressa temos à mesa um prato para agradar alguém. 

17 agosto 2015

Bolo de iogurte e aroma a baunilha

Há alguns anos que as minhas férias são passadas em Portugal. São as férias possíveis e há medida da minha bolsa. Não que isso me entristeça, nada disso, Portugal é lindo e continua a surpreender-me cada vez que decido explorá-lo. Programámos uns dias aqui pelas praias e campos dos meus lados, matámos saudades do Portinho da Arrábida, que é um pequeno paraíso, depois corremos para sítios que continuamos a adorar, uns dias em Santa Cruz, outro no Alentejo de passagem e outros tantos passeios em vilas e cidades que já conhecemos mas gostamos de revisitar, muito cinema, piscinas, exposições, passeios à noite, festas medievais, concertos, praia e almoços com uns amigos, petiscadas com outros, e assim se passa o verão. Bem, agora vamos falar do meu apetite um dia destes por um bolinho simples de iogurte. Acho que o último que fiz foi este e não ficou perfeito. Agora que já passaram alguns anos e aprendi algumas regras, os bolinhos já me correm bem melhor. Fiz umas ligeiras alterações, pois na hora de fazer doces é que decido a quantidade de açúcar e gordura, consoante o que andámos a abusar por aqui, menos açúcar, e a gordura substituída por manteiga em vez de óleo, outro aroma de iogurte e uma ajuda com a essência de baunilha, e depois é esperar que corra bem. E correu, lá saiu do meu mini-forno um bolinho bem jeitoso.


29 julho 2015

Salada de ovas de bacalhau simples

Cá por casa gostamos todos de ovas. Costumo fazê-las de todas as maneiras e feitios, mas esqueço-me de fazer da maneira mais simples e que nos sabe tão bem. Nada de atalhos, é cozer as ovas, as batatas, colorir o prato com algo verde, azeite e vinagre e já está. Usei ovos de codorniz só para mimar o "piolho encardido" que adora ovos, e assim poder comer bastantes sem eu reclamar para não abusar dos ovos. Pedi-lhe ajuda na fotografia para não ter que pensar em adereços, e assim que virei costas para olhar para a máquina fotográfica, ele roubou algo da travessa, olhei de repente e diz que não tirou nada, mas tinha uma coisinha verde bem de lado na boca... Fartei-me de rir, raio do puto. 


28 julho 2015

Soufflé de lima e coco (para um desafio açoriano)

"Cozinha 100 Segredos" desafiou o mundo para uma receita, típica dos Açores ou não, mas forçosamente tinha de ser utilizado produtos dos Açores. Ora, eu sou uma mulher prática, dei uma olhadela na minha cozinha e achei leite e manteiga Terra Nostra, portando comecei a pensar a partir daí. Tinha umas limas, tinha um produto novo para experimentar, que é uma boa alternativa às natas normais e à base de coco, e para não parecer tão fácil, compliquei fazendo um soufflé, que tanto podia correr bem, como mal. Correu bem, ficou muito guloso, cresceu e antes que descesse, como é normal dos soufflés, fui a correr para a minha varanda para captar a imagem. E ufa, não foi nada fácil, mas está feito, missão cumprida.




27 julho 2015

Gelado de café e canela

Estava prometido um gelado de café. E o prometido é devido. Juntei-lhe mais umas coisas boas para ter a certeza que não iria haver reclamações. Foi à pressa que desajeitadamente pus o chocolate que ainda não estava bem arrefecido e as amêndoas e rapidamente tirei uma fotografia, com a malta na sala a reclamar pela sobremesa. Vida de bloguer não é nada fácil... nada mesmo.

23 julho 2015

Pernas de frango no forno com gengibre, salsa e manjericão seco (e outras coisas boas)

Estava aqui a pensar com os meus botões e em mim. No que fui, no que sou e me tornei. Cheguei à conclusão que serei sempre assim, nunca mudei, apenas limei uns detalhes da minha personalidade. Uma menina insegura, ingénua, com sonhos utópicos, e que ainda acha que pode mudar o mundo. Apesar de ter crescido e descoberto que não posso mudar o mundo, apenas o meu mundo. E no meu mundo espero encontrar aquilo que sempre quis, pessoas transparentes, bonitas por dentro, que queiram aproveitar a vida tão bem quanto eu, e que se tiverem alguma coisa para me dizer, que mo digam cara a cara, pois só assim eu posso emendar os meus erros. Basta de me fazerem mal, de nem sequer me darem oportunidade para me justificar, quando eu serei sempre uma pessoa com bom coração. Tenho defeitos e muitos, mas não ultrapassam as coisas boas que tenho para dar a todos. Hoje dei comigo a pensar nisto, nos mal entendidos e nos recadinhos. Mereço? Não me parece. O que me parece realmente é que passo a vida a dar "pérolas a porcos", como se costuma dizer. Isto é um desabafo muito pessoal, como se eu não o tivesse dito. Não se sintam atingidos, pois os meus leitores merecem tudo, até saberem o que sinto em determinados dias, mesmo que não sejam coisas bonitas de se ler. O mundo também é assim, feio e triste. Uma abraço a todos/as.

22 julho 2015

Bola (com açafrão e manjericão) de frango

A família Sousa adora sair à noite no verão, jantar às tantas e quebrar todas as regras. Todos os verões são assim cá por casa. Ainda onteontem fiz pizza para o lanche e depois ao jantar ninguém tinha fome. Fomos para a rua e quando demos por nós eram onze horas. O que quer dizer que jantámos mesmo tarde. Sentir-mo-nos livres, sermos loucos e fazermos o que nos der na telha também é bom para a saúde mental, e sei que pelo menos uma parte do verão posso me sentir assim. Livre. Sem horários, sem regras e virar tudo do avesso se bem entender. No fundo, serei sempre uma rebelde, que a idade tentou disfarçar, que a idade ajuizou, mas que ainda vive dentro de mim, e eu deixo-a sair para fora nesta época. 

21 julho 2015

Salame de chocolate (com leite condensado e sem ovos)

Um destes fins de semana recebi uma visita tão boa de uns amigos bem especiais. E claro, fui logo para a cozinha fazer um miminho para recebe-los. Pensei num salame, pois a criançada gosta sempre, bem, afinal há um rapazinho que eu não sabia que não gostava de chocolate. Nem sempre consigo acertar, mas a minha intenção é sempre boa. E como estamos no verão, e havia também uma grávida, o salame foi obviamente sem ovos. Esta é uma forma mais pegajosa de fazer salame, e não pensem em pôr as mãos na massa, porque vão ficar com ela colada nas mãos e será só desperdício. Eu gosto muito de ter opções, portanto cá vai mais uma forma de fazer salame aqui no blogue.

20 julho 2015

Bacalhau cru desfiado com alhos, coentros e azeitonas

Lá por casa às vezes reclamam que eu não repito as receitas e que há muitas no blogue que nunca mais fiz. Eu acharei sempre que eles estão errados e têm falta de memória também. Esquecem que o dia só tem 24 horas e o mês 30 dias, e mesmo que eu viva até aos 100 anos, nunca poderei fazer todas as receitas do mundo. Sou, ou aliás, considero-me uma pessoa bastante equilibrada, e sei que repito muitas vezes as receitas e faço outras tantas novas, pois só assim posso praticar e melhorar, caso disso, é esta que hoje partilho, mais uma forma simples de temperar este petisco que continuo a considerar muito agradável.


15 julho 2015

Creme de laranja (sem ovos) com framboesas e mirtilos

Um dias destes lá em casa, o "mais-que-tudo" queria uma sobremesa. Como não havia, decidiu inventar, mas mal, claro. Abriu uma lata de polpa de manga e misturou com iogurte natural, e parecia mais uma sopa de manga que uma sobremesa, porque não fez o equilíbrio certo nas dosagens. Lá comeu, mas reclamando que não estava nada bom. Uns dias depois decidi pôr-me à prova e fazer uma sobremesa rápida, daquelas que fazem um certo figurão, mas pateticamente fáceis de fazer. Pensei em leite creme, mas nessa semana comemos ovos noutras receitas, e pus logo de parte a hipótese de usar ovos. Como sou do tempo das papas de farinha torrada, porque não um creme de laranja, sem ovos e com farinha para engrossar? Eu acho que ficou bem saboroso.

14 julho 2015

Caril de (tiras de) peru

Depois de mais um fim de semana bem agradável, em que já só se contam os dias que faltam para as férias em conjunto, nada como iniciar a semana com um caril. Um caril que já foi feito à imenso tempo, mas que nunca passa de moda. Quem gosta de cozinhar como eu, tem sempre em casa de reserva  algumas especiarias que eu chamo de "safa refeições" e leite ou creme de coco, que foi o que utilizei para este caril que o quis mais cremoso desta vez. Acho que não preciso de dizer mais nada. Com algumas especiarias, uma proteína (mesmo ainda que seja peru que é uma carne mais seca) e arroz basmati a acompanhar, serve-se uma refeição bem saborosa. Complicar para quê?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...